18 de março de 2011

Remorso

Às vezes, uma dor me desespera...
Nestas ânsias e dúvidas em que ando.
Cismo e padeço, neste outono, quando
Calculo o que perdi na primavera.

Versos e amores sufoquei calando,
Sem os gozar numa explosão sincera...
Ah! Mais cem vidas! com que ardor quisera
Mais viver, mais penar e amar cantando!

Sinto o que desperdicei na juventude;
Choro, neste começo de velhice,
Mártir da hipocrisia ou da virtude,

Os beijos que não tive por tolice,
Por timidez o que sofrer não pude,
E por pudor os versos que não disse!

Olavo Bilac

6 comentários:

  1. OI Malu! Sou do time que ama com intensidade e quebra a cara com convicção hehehe

    Lindo post

    Bjinhos e ótimo findi

    ResponderExcluir
  2. Oi querida Malu...

    De onde tirou Olavo ? Caráca...há muito tempo não relia esse poema...um dos meus favoritos na juventude...Amei...me emocionei ao lembrar a primeira vez que o li...humpft...

    Valeu meu dia...
    Um bjo carinhoso e Deus te abençoe !

    ps. "...Sinto o que desperdicei na juventude;
    Choro, neste começo de velhice,mártir da hipocrisia ou da virtude..."....SHOW...

    ResponderExcluir
  3. Que lindo poema!!!

    Abrir os olhos e sentir tudo de forma intensa, viver tudo que tiver pra viver...sem que possa ter arrependimentos , até mesmo por não fazer.

    ResponderExcluir
  4. Um soneto de Bilac expondo o arrependimento pelo não feito que deveria ter sido feito no campo das emoções, sentimentos. Vale uma reflexão... Afinal pensando e pensando sobre isso, poderemos nos posicionar de forma diferente; antes de negar um sentimento nos permitiremos nos questionar se vale a pena mesmo deixar passar o que é importante.

    ResponderExcluir
  5. Por isso que em vez do remorso pelo não feito faço e tiro proveito, nem que seja um ensinamento da situação;
    Bjs

    ResponderExcluir

Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies.

Machado Assis