8 de fevereiro de 2011

Tudo a seu tempo...


Muitas vezes, ficamos desanimados quando olhamos para nossas vidas e vimos que aquilo que desejamos e  buscamos parece nunca chegar. Nos dedicamos, nos disciplinamos, estamos sempre fazendo nossa parte para alcançarmos determinados objetivos e nada.
Aí começamos... Por que as coisas não dão certo para mim? Por que para os outros parece ser tão fácil. Onde estou errando? Será que estou sonhando o “sonho” errado? Por quê?!
É difícil aceitar às vezes. Nos desesperamos, ficamos ansiosos e até deprimidos com vontade de desistir.
Nessas horas temos duas escolhas a fazer: desistir de fato ou confiar. Confiar em Deus. No tempo de Deus que é diferente do nosso. Fazendo a nossa parte Ele saberá quando estaremos prontos para recebermos a vitória e desfrutá-la da melhor forma possível.
“Deus é soberano sobre a vontade e o tempo. Ele sabe  (“o Seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de pedirem” Mt. 6:8) o que deve ser atendido e quando. Não deixemos que o sentimento de culpa nos atormente. Deixe Deus agir segundo o Seu tempo.

 Tudo tem seu tempo...  A LIÇÃO DO BAMBU CHINÊS

 
Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada, por aproximadamente 5 anos, exceto o lento desabrochar de um diminuto broto, a partir do bulbo.
Durante 5 anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu, mas, uma maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra está sendo construída.
Então, no final do 5º. ano, o bambu chinês, cresce até atingir a altura de 25 metros.
Um escritor americano escreveu: "muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês: você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento, e, às vezes não vê nada por semanas, meses, ou anos. Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu 5º ano chegará, e, com ele, virão um crescimento e mudanças que você jamais esperava...
O bambu chinês nos ensina que não devemos facilmente desistir de nossos projetos, de nossos sonhos... especialmente no nosso trabalho, (que é sempre um grande projeto em nossas vidas)
É que devemos lembrar do bambu chinês, para não desistirmos facilmente diante das dificuldades que surgirão.
Tenha sempre dois hábitos: persistência e paciência, pois você merece alcançar todos os sonhos!!!
É preciso muita fibra para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita flexibilidade para se curvar ao chão.

(Autor desconhecido)


 

4 comentários:

  1. Oi Malu! Sim, devemos confiar sempre. Tudo tem seu tempo!
    Que lindo isso que o escritor disse sobre a comparação ao bambu chinês. Sabe, quero lhe confessar, sua postagem me comoveu muito, sinto muitas vezes que minha tentativa de escrever para o mundo é isso: um dia atingirá certa altura. Mas é tão difícil a espera. Ufa! Fez-me bem dizer isso. Obrigado pela bela postagem, é alimento para a alma. Parabéns!

    “Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

    Convido-te ao http://jefhcardoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Malu...
    Pois é, ontem eu estava meio pra baixo...hehehe
    Aí bate nostalgia, saudades, nos questionamos sobre erros passados...então escrevi, pq tem uma coisa me "incomodando" aqui dentro...hehehe
    Mas isso é assunto pro Blog, no fim de semana

    Grato pela visita ..Deus te abençoe !
    Adorei o post...O bambu chinês e sua lição...humrum...

    Cuide-se - Abração

    ResponderExcluir
  3. É amiga, nada como persistir e acreditar sempre a despeito de todos os empecilhos e gigantes. Existem uma gama deles que quer apenas nos barrar e barato de tudo isto é que sendo o gigante tão grande, não há como não acertá-lo e imobilizá-lo afinal.

    Muitas conquistas para você.

    Bjs.
    Vitalina.

    ResponderExcluir
  4. Que belo texto! Obrigada pelo seu carinho com o meu cantinho. Já virei a sua fã.
    Beijitos

    ResponderExcluir

Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies.

Machado Assis