15 de janeiro de 2011


Chuva, destruição e mortes no Rio de Janeiro, Alpino via Yahoo! Colunistas: "

O Rio de Janeiro ganha manchetes do mundo como um mar de destruição e lágrimas. Políticos debatem sobre quem deve recair a culpa pela tragédia que já contabiliza mais de 600 mortes.


Em meio a tanta dor ficamos a questionar como é possível tamanha destruição? Quem são os culpados? Será que tudo isso poderia ter sido evitado?
Na verdade, eu acredito, que o que acontece é que a natureza vem mais cedo ou mais tarde reivindicar o que é dela. Seu espaço. Aquilo que sempre foi seu por direito.
Sem pedir permissão invadimos o seu quintal com a nossa arrogante presença.
Para reivindicar o que é seu, a natureza não poupa esforços, derruba o que vê pela frente. Quando atravessamos o seu caminho, ela se recria, refaz o seu caminho para se readaptar ao seu estado “natural”.
Quando isso acontece, de repente, nos damos conta do quanto somos pequenos e impotentes diante de tamanha força.
Nós, simples mortais temos que nos dar conta de uma vez por todas que somos parte integrante dessa natureza. Somos parte de um sistema, onde cada um tem sua função. Nós não estamos cumprindo a nossa função que é respeitar os limites, os espaços de cada um. Homem, Natureza.
Quando cuidarmos na natureza como cuidados de nós mesmos, quando pararmos de pensar um pouco menos no eu e olharmos um pouco mais para o nós, estaremos mostrando que aos poucos estamos aprendendo a lição que a mãe natureza tem a muito nos tentado ensinar.

Malu

Um comentário:

Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies.

Machado Assis